ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo
Clique no mapa ou escreva aqui a localização onde pretende procurar... Pode ainda escrever o nome do concelho e/ou da freguesia... Pode ainda escrever o nome da freguesia...
Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

Concedidos 4.202 vistos gold desde 2012. Já renderam 2,5 mil milhões de euros

Concedidos 4.202 vistos gold desde 2012. Já renderam 2,5 mil milhões de euros

26-01-2017

Fonte: https://www.idealista.pt

Já foram concedidos mais de 4.000 vistos gold a estrangeiros, que renderam 2,5 mil milhões de euros, desde a criação da Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI) – um programa conhecido como golden visa/vistos gold –, em 2012. A grande maioria foi atribuída a chineses e em 2016 a concessão de vistos quase duplicou face a 2015.

Segundo a Lusa, que se apoia em dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), desde a sua criação, 8 de outubro de 2012, até 31 de dezembro de 2016, foram atribuídos 4.202 vistos gold: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015 e 1.414 em 2016.
Os chineses lideram a lista de interessados (3.050 vistos concedidos). Seguem-se cidadãos brasileiros (247), russos (148), sul-africanos (137) e libaneses (72).
No que diz respeito ao investimento conseguido através dos vistos gold, totaliza 2,5 mil milhões de euros, dos quais cerca de 251 milhões de euros foram obtidos através de transferência de capital e 2,3 mil milhões através da aquisição de bens imóveis – compra de casas que custem pelo menos 500.000 euros.
De referir que dos 4.202 vistos gold atribuídos até ao final do ano passado, a maioria – 3.964 – foi por via da aquisição de imóveis, sendo que 232 foi através de transferência de capital e seis através da criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.
Os vistos gold foram criados em 2012, mas a partir de setembro de 2015 entraram em vigor novas regras para a sua obtenção, nomeadamente o alargamento dos critérios de investimento para cidadãos fora da UE a áreas como reabilitação urbana e ciência.

Segundo a Lusa, que se apoia em dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), desde a sua criação, 8 de outubro de 2012, até 31 de dezembro de 2016, foram atribuídos 4.202 vistos gold: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015 e 1.414 em 2016.
Os chineses lideram a lista de interessados (3.050 vistos concedidos). Seguem-se cidadãos brasileiros (247), russos (148), sul-africanos (137) e libaneses (72).
No que diz respeito ao investimento conseguido através dos vistos gold, totaliza 2,5 mil milhões de euros, dos quais cerca de 251 milhões de euros foram obtidos através de transferência de capital e 2,3 mil milhões através da aquisição de bens imóveis – compra de casas que custem pelo menos 500.000 euros.
De referir que dos 4.202 vistos gold atribuídos até ao final do ano passado, a maioria – 3.964 – foi por via da aquisição de imóveis, sendo que 232 foi através de transferência de capital e seis através da criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.
Os vistos gold foram criados em 2012, mas a partir de setembro de 2015 entraram em vigor novas regras para a sua obtenção, nomeadamente o alargamento dos critérios de investimento para cidadãos fora da UE a áreas como reabilitação urbana e ciência.