ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo

Localização:

Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

Empresas do imobiliário candidatas à bolsa de Lisboa não recuam por causa da Covid-19

Empresas do imobiliário candidatas à bolsa de Lisboa não recuam por causa da Covid-19

27/04/2020

O “novo normal” do sector imobiliário será ditado pelo ajustamento em baixa dos preços, por uma crise de procura e alguma dificuldade em escoar o produto novo que até há bem pouco tempo era apontado como uma prioridade no sector e uma necessidade imediata.

Admitem um ajustamento no prazos face ao contexto de pandemia, mas rejeitam virar as costas à cotação em bolsa.


A admissão da socimi espanhola Merlin Properties na bolsa de Lisboa, no arranque de 2020, deixou a porta aberta a novas cotadas do setor imobiliário que, apesar dos tempos de incerteza, por causa da pandemia do novo coronavírus, mantêm os planos de vir a cotar na Euronext Lisbon. Estão só à espera do melhor momento, garantem, ainda que admitam um ajustamento nos prazos.
Já no final do ano passado, e depois do sucesso no país vizinho com a socimi Olimpo Real Estate, lançada em fevereiro de 2017, o Bankinter e a Sonae Sierra decidiram replicar o modelo em Portugal, criando a primeira Sociedade de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI), a Ores Portugal. Fonte oficial da SIGI disse, de resto, ao ECO, que empresa “será listada na Euronext Lisbon em 2020, como aliás decorre da lei”, um vez que o regime obriga a que a sociedade de investimento seja cotada até um ano após a sua criação. E porque ainda há margem de manobra, e por causa da Covid-19, a Ores está só à espera do “momento mais oportuno para o fazer”, segundo as declarações ao jornal.
Na mesma situação está a VIC Properties. A promotora imobiliária continua interessada em vir a ser cotada na bolsa, estando igualmente a aguardar o melhor momento para dar início ao processo. “Todos os nossos objetivos se mantêm. Naturalmente que todos eles têm de ser ajustados face ao momento que o mundo atravessa e que todos desconhecemos quando tempo poderá demorar”, garantiu Luís Gamboa, COO da VIC Properties, à mesma publicação.
O responsável garante, aliás, que a empresa continua a trabalhar e concretizar negócios que já estavam em marcha antes da pandemia, considerando existir “cada vez mais a perceção de que o ativo imobiliário terá uma volatilidade diferente de outro tipo de investimento”, e que, por isso, o interesse no setor deverá manter-se.

A admissão da socimi espanhola Merlin Properties na bolsa de Lisboa, no arranque de 2020, deixou a porta aberta a novas cotadas do setor imobiliário que, apesar dos tempos de incerteza, por causa da pandemia do novo coronavírus, mantêm os planos de vir a cotar na Euronext Lisbon. Estão só à espera do melhor momento, garantem, ainda que admitam um ajustamento nos prazos.
Já no final do ano passado, e depois do sucesso no país vizinho com a socimi Olimpo Real Estate, lançada em fevereiro de 2017, o Bankinter e a Sonae Sierra decidiram replicar o modelo em Portugal, criando a primeira Sociedade de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI), a Ores Portugal. Fonte oficial da SIGI disse, de resto, ao ECO, que empresa “será listada na Euronext Lisbon em 2020, como aliás decorre da lei”, um vez que o regime obriga a que a sociedade de investimento seja cotada até um ano após a sua criação. E porque ainda há margem de manobra, e por causa da Covid-19, a Ores está só à espera do “momento mais oportuno para o fazer”, segundo as declarações ao jornal.
Na mesma situação está a VIC Properties. A promotora imobiliária continua interessada em vir a ser cotada na bolsa, estando igualmente a aguardar o melhor momento para dar início ao processo. “Todos os nossos objetivos se mantêm. Naturalmente que todos eles têm de ser ajustados face ao momento que o mundo atravessa e que todos desconhecemos quando tempo poderá demorar”, garantiu Luís Gamboa, COO da VIC Properties, à mesma publicação.
O responsável garante, aliás, que a empresa continua a trabalhar e concretizar negócios que já estavam em marcha antes da pandemia, considerando existir “cada vez mais a perceção de que o ativo imobiliário terá uma volatilidade diferente de outro tipo de investimento”, e que, por isso, o interesse no setor deverá manter-se.


Fonte: https://www.idealista.pt/news/especiais/covid-19/2020/04/27/43172-empresas-do-imobiliario-candidatas-a-bolsa-de-lisboa-nao-recuam-por-causa-da-covid-19